Home > Colunistas > O juiz Moro e o odioso Maccartismo brasileiro

O juiz Moro e o odioso Maccartismo brasileiro

O juiz Moro e o odioso Maccartismo brasileiro

Por *Manoel Fonseca

Os evangélicos Moro e Dallagnol são a reencarnação do senador americano MacCarter, um falso moralista, que foi lider de uma campanha terrorista, de difamação, calunia e execração pública contra as lideranças progressistas de intelectuais e sindicalistas dos EEUU.

Criou um verdadeiro estado policial baseado na deduragem covarde e generalizada dessas lideranças, sem prova, através da Comissão de Delação do Senado.

Após praticar todo tipo de arbitrariedade contra Lula e sua familia, contra as lideranças petistas e do empresariado nacional vinculado ao setor de infraestrutura, como prisão coercitiva, invasão de domicilio, vazamentos criminosos de denúncias sem prova, execração pública, prisões arbitrárias e condenação sem provas, baseadas em convição apenas e na deturpação da teoria do ” dominio do fato”, prisão por tempo indeterminado sem o devido julgamento, pressão psicologica para forçar a deduragem, proteção dos grandes corruptos como Youseff, Sergio Machado, Aécio Neves, José Serra, o juiz Sergio Moro, Dallagnol e procuradores da Lava-jato, numa união fundamentalista entre politica e religião, convocaram os fiéis avangélicos e os analfabetos politicos para assinarem uma “Petição de iniciativa popular” , as famosas “10 medidas anti-corrupção”, que constituirão, se aprovadas na íntegra, a base legal para a instalação do Maccartismo brasileiro. Está embutida nesta “Petição de iniciativa popular” a formação da “Comissão de Delação”, onde o delator será protegido pelo anonimato e, necessariamente, não precisa apresentar provas de sua delação. E os pequenos ditadores da Comissão, todos procuradores da PGR, decidirão quem será ou quem não será investigado, quem será e quem não será execrado publicamente por vazamentos seletivos de delações, para jornalistas amestrados da Globo, da Folha, da Veja et caterva, que farão o trabalho sujo e orquestrado de difamação e calúnia. E quais lideranças serão escolhidas para serem massacradas? Com certeza as lideranças progressistas, democráticas, socialistas, do campo e das cidades, serão os primeiros e talvez exclusivos escolhidos para o linchamento público.

Segundo o Procurador Roberto Tardelli será “inaugurada a República dos Delatores – ou então a República dos Reportantes – e estão mais do que lançadas as bases para o país mais perigoso do mundo para se viver.

Brasil, o País do Medo. O País da Comissão que vai desmoralizar, constranger, achacar, pressionar, anular, humilhar, expor os inconvenientes.”
O Ministério Público Federal, com o silêncio acovardado e cúmplice do STF, poderá ter uma Lei que o tornará todo poderoso, como instrumento de um estado policial e anti-democrático. O Maccartismo fascistoide seria legalizado em nosso país.
Ainda bem esta excrescência foi rejeitada e derrotada.

Manoel Fonseca é médico, escritor, um dos coordenadores do Movimento
Médicos pela Democracia do Ceará e colunista do portal Arruda Bastos.

pab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *