Home > Colunistas > Régis Barros: Uma crítica no estilo cearense

Régis Barros: Uma crítica no estilo cearense

Uma crítica no estilo cearense

Eita piula e que diabéisso! É o que vem na minha cabeça quando vejo esse desgoverno golpista. Um macho ardiloso e cheio de nós pelas costas figura como presidente. De abestado, ele não tem nada. Pelo contrário, ele é muito é sabido. Ele é capaz de botar suspensório em cobra, visto que, leva todo mundo com o seu discurso meloso. Cheio de esquema! Assim, ele e seu desgoverno são. Seu foco é proteger aqueles que não precisam de proteção. Proteger aqueles que estão empazinados de comida. Ô cabra sem futuro! Um ser de caráter mais fraco do que caldo de bila. O pior é que ele e seus comparsas acreditam que todos nós somos abilolados e não percebemos essas tretas. A minha vontade era de assungá-lo e mandá-lo para uma terra bem distante. É muita arrumação ver o povo brasileiro achar que, a partir da entrada desse estrupício, tudo melhoraria. Na verdade, o que nós temos, de fato, é uma ruma de marmotas desses usurpadores. E, para piorar, o nosso Congresso Nacional, repleto de babões, vai validando a série de nojentesa desse governo. Todos mereciam era muita chibata e, seu eu pudesse, instituiria uma lei que obrigasse esses fí duma égua levar um mói de chulipa diariamente. Sei que muitos falarão assim: “arre égua que cabra véi brabo”. Mas, eu não sou assim não. Na verdade, só não admito isso – um amontoado de baitinga nos lascando todos os dias. Eles falam que escutaram as vozes da rua. Mas menino! Larguem de ser besta! Nas ruas, só tínhamos, na sua maioria, pessoas estribadas. Os canelaus, que mal tinham chinela para calçar, não estavam na Avenida Paulista nem em Copacabana e muito menos na Praça Portugal. E aqui, faz-se necessário uma ressalva: a maioria do povo ainda é canelau e teve, portanto, seu direito de voto desrespeitado pela minoria. Eles teriam todo o direito de dar o pinote. A negada rica que tem o diabo-a-quatro quer, no final das contas, que a mundiça se exploda. Essa é a verdade. É isso que esse governo golpista faz e continuará a fazer. O que tivemos foi um discurso fulero que emgabelou muita gente. Um bocado de galalau aceitou a história de que a corrupção findaria. Ô ruma de baitinga otário. Quem se deu bem com essa onda foi os estribados e somente eles. Os felas da gata dos parlamentares arrumaram um jeito de colocar os desejos deles sob proteção. E a parcela fominha da população validou esse fuxico. Exatamente isso, gasguitos e ispilicutes exigiram o fim da corrupção, mas, muitos deles fazem vários atos corruptos no dia a dia. Tudo isso me dá até gastura. É muita gente nó cega junta. Permitiram judiar dos pobres e daqueles que não tem a quem se apegar. Esse é o leriado da atualidade. Leriado esse produzido por um magote de sem futuro. Mas, o tempo falará e uma grande parte dos amarelos da rua, que vestiu Nike, em algum momento, irá pedir penico. Nessa hora, eles irão pegar o beco com a postura de não saber o que aconteceu. Depois que essa nação for, em seqüência, pinada por esses usurpadores, entenderemos melhor tudo isso. Certamente, em algum momento, estourará no nosso quengo. Vamos aprender com a história. E se duvidar, essa foi uma das maiores ratas do povo brasileiro em toda a sua história. Tudo ficará troncho daqui para frente e nós veremos isso. Muitos xaboques saíram de nós mesmos, pois permitimos isso ao dar salvo conduto aos golpistas. Esse país vai ficar só os queixos.

(*) caso tenha dificuldade para compreensão use:

Dicionário Cearense (Cearensês)

*Régis Eric Maia Barros

Régis Eric Maia Barros
Médico psiquiatra, Mestre e doutor em saúde mental pela FMRP-USP e membro do Movimento Médicos pela Democracia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *