Home > Notícias > Delatores da Odebrecht temem destino da Lava Jato, após morte de Teori

Delatores da Odebrecht temem destino da Lava Jato, após morte de Teori

O acidente com o avião no litoral de Paraty (RJ) que matou o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, causou apreensão também entre os executivos da Odebrecht, que assinaram acordos de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República.

Como aliados do governo Temer, incluindo o próprio presidente, são citados na delação, a Odebrecht teme que um relator nomeado pelo peemedebista possa intervir a favor do governo, chegando até a vetar a homologação, que ainda não tinha sido homologada por Teori.

Outra consequência da morte do ministro é o atraso do início do cumprimento de penas dos executivos da Odebrecht acertadas nos acordos de delação, que passam a vigorar depois da homologação feita pelo STF.

Após a confirmação do acidente de avião, a PGR entrou em contato com a empreiteira e suspendeu as audiências de homologação com os 77 delatores que começariam na sexta-feira (20) e se estenderiam por uma semana.

Só na delação de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, o nome de Temer aparece 43 vezes. O mesmo delator disse que o advogado José Yunes, amigo de Temer e, na época assessor presidencial, recebeu em seu escritório parte dos R$ 10 milhões de caixa dois repassados pela Odebrecht ao PMDB para a campanha de 2014.

Fonte: 247

pab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *