Home > Notícias > Alvo de denúncias, Padilha deve voltar a despachar no Planalto nesta segunda

Alvo de denúncias, Padilha deve voltar a despachar no Planalto nesta segunda

Após 21 dias afastado para tratar de problemas de saúde, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, retorna ao trabalho nesta segunda-feira (13) e deve voltar a despachar do Palácio do Planalto. Apesar do retorno, a permanência do ministro no governo ainda é incerta.

Segundo apurou o G1, Padilha se reunirá nesta segunda com o presidente Michel Temer para decidir se vai se manifestar publicamente após ter sido mencionado por José Yunes, amigo e ex-assessor do presidente Michel Temer, em depoimento ao Ministério Público no mês passado.

Na ocasião, Yunes revelou que recebeu um envelope com “documentos” do doleiro Lúcio Funaro a pedido de Padilha, durante a campanha presidencial de 2014. Funaro, preso na Operação Lava Jato, é apontado pela PGR como operador financeiro do ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato.

Segundo delação premiada do ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho, o envelope continha dinheiro. Yunes disse desconhecer o conteúdo do envelope, entregue no escritório dele, segundo afirmou, a pedido de Eliseu Padilha e retirado posteriormente por um emissário.

Padilha ainda não se manifestou publicamente sobre as acusações, já que, poucos dias depois, foi hospitalizado em Brasília por problemas na próstata e se ausentou do cargo. Ele viajou para Porto Alegre, onde mantém residência, e se submeteu a uma cirurgia no órgão. O ministro renovou, por pelo menos duas vezes, os atestados médicos.

Delações da Odebrecht

Um dos motivos que tem trazido incerteza à permanência de Padilha no governo é que, nos próximos dias, a Procuradoria Geral da República deve solicitar ao Supremo Tribunal Federal (STF) novos pedidos de inquérito baseados nas delações de executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht no âmbito da Lava Jato.

A expectativa é que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresente diversos pedidos ao Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar a conduta de políticos citados pelos delatores. Estima-se que os delatores da empreiteira tenham mencionado cerca de 200 políticos com e sem mandato.

Fonte: G1

pab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *