Home > Saúde > Presidente do Centro Acadêmico de Odontologia da UFC denuncia situação precária do curso

Presidente do Centro Acadêmico de Odontologia da UFC denuncia situação precária do curso

Olá,  meu nome é Tarciso Sindeaux, sou presidente do Centro Acadêmico do Curso de Odontologia da Universidade Federal do Ceará, e gostaria de informá-los sobre a situação atual do nosso curso, e informar, também,  que por conta dessa situação estamos sem poder atender nossos pacientes e sem assistir aulas teóricas.

Ao fim de 2016 encerrou-se o contrato que a UFC tinha com uma empresa que prestava assistência técnica e manutenção dos equipos odontológicos  (cadeiras de atendimento), essa empresa também fazia a manutenção dos compressores (máquinas grandes que impulsionam o ar comprimido para o funcionamento dos equipos), e das autoclaves (máquinas que esterilizam os instrumentais usados em atendimento). Isso tudo para os cursos de odontologia da UFC fortaleza e Sobral,  além do CEDEFAM, que é uma clinica-escola avançada que atende a população carente dos bairros pici, panamericano, e adjancentes.

Pois bem, iniciamos o semestre letivo em fevereiro já sem serviço de manutenção,  e logicamente os equipos começaram a quebrar sendo inutilizados, muitas vezes por falta de reparos simples. Os compressores apresentaram falhas e vazamentos, e a maior autoclave, após uma queda de energia , foi desprogramada, sendo também inutilizada (temos uma autoclave de 360 litros e uma de 120 litros. A que está desativada eh a maior, o que dificulta o bom andamento das aulas clínicas,  pois a esterilização está demorando três dias para ficar pronta, sendo que nossa rotina eh de atendimentos diários.) .

Temos no total 83 equipos e hoje 51% deles estão inutilizados.
Para tentar concluir alguns tratamentos já chegamos a operar utilizando luz da cadeira ao lado,  luz do celular, sugador de saliva da cadeira ao lado (que já estava com outra função quebrada). Partes da cadeira já  chegaram a quebrar durante atendimentos, e por pouco não chegou a machucar o paciente ou o operador. Sem falar nos riscos biológicos a qual nós e nossos pacientes estamos sendo submetidos . Não é incomum os casos onde o sugador a vácuo inverte sua pressão e regurgita saliva e sangue em cima dos operadores ou dos pacientes . O risco biológico ao utilizar equipos sem manutenção é altíssimo .

Procuramos a administração do curso e foi nos passado que não há previsão de retorno dos serviços de manutenção. Foi explicado, também,  que o contrato antigo já estava vigente há 5 anos, e que a empresa aumentou em 400%  o valor dos seus serviços tornando inviável,  visto a situação de crise e de corte de gastos.

Outro problema que temos eh a estrutura das salas de aula teórica. Temos apenas 4 salas para suprir a necessidade de 10 semestres, e em três delas o projetor se encontra quebrado, fazendo com que tenhamos que rodar em vários departamentos atrás de um projetor disponível,  ou o professor tem que trazer o dele. Já tivemos casos de o professor propor dar aula para uma turma de 25 pessoas apenas com a tela do computador. Somando-se a isso o prédio do curso está com surto de insetos. Baratas e escorpiões são vistos diariamente,  e frequentemente saem dos condicionadores de ar ao serem ligados.

Visto os motivos acima, visando o não comprometimento do nosso aprendizado e visando a segurança e o atendimento de qualidade sem gambiarras aos nossos pacientes,  e sem uma resolução proposta pela administração do curso, ficou decidido por unanimidade em assembléia geral de alunos que as atividades clínicas e teóricas que são feitas no prédio da odontologia estão paralisados por tempo indeterminado até que a situação se regularize.

Tarciso Sindeaux
26 de abril de 2017

pab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *