Home > Colunistas > “Este caminho tem coração?” C. Castanëda

“Este caminho tem coração?” C. Castanëda

Este debate é muito importante entre nós, Médicos pela Democracia. De principio eu concordo com as questões e preocupações levantadas no grupo. Dá para fazer politica e ganhar eleição sem caixa 2, que na sua essência é um processo corruptivo. No minimo o caixa 2 significa sonegação fiscal, de quem doa e de quem recebe, e pode envolver troca de favores intermediada por dinheiro público, superfaturamento de obras públicas, que retira dinheiro dos programas sociais. Isto era uma prática de longas datas, feita por politicos da direita. Mas é licito a esquerda ter a mesma prática? Não concordo. A primeira eleição de Lula, todos lembram, teve uma mobilização intensa da militância, que fez finanças de massa, porque eramos movidos por um sonho de uma sociedade justa, um pais soberano, um desenvolvimento que vencesse a miséria, a pobreza e a fome do povo, com educação e saude de qualidade. Mas depois de chegar ao poder, de governar, o que foi feito? Será que foi trilhado o caminho que tem coração? Ou foi rompido este caminho e iniciado tambem um processo de cor(coração) erupção (cor rupção), romper com o coração? Ou seja, começou-se a achar que os fins (o bem coletivo) justificavam os meios (os acordos com corruptos, as práticas deletérias e ilegais de captação de recursos para se manter no poder). Não devemos tambem ser ingênuos e pensar que a corrupção é apenas relacionada com dinheiro. A maior “cor rupção”, agir sem coração, está no sistema capitalista que acumula mais valia em cima da maior exploração. Mais corrupto ainda é o setor do capital financeiro, que enriquece sem produzir riqueza, sem incorporar tecnologia, sem produzir empregos, praticando a agiotagem oficial. Mas os governos de esquerda deveriam desenvolver politicas publicas para reduzir a desigualdades, fortalecer a organização popular e, principalmente, investir pesado em cultura, educação e comunicação, visando fortalecer a consciência política, a conduta ética e cidadã e a prática e atitudes de honradez, de respeito com as diferenças, de convivência fraterna e solidária. Temos sempre que trilhar o caminho que tem coração, temos que fazer politica sem romper com o coração (cor ação).

Manoel Fonseca
Do coletivo: “Médicos pela Democracia”

Manoel Dias da Fonsêca Neto
Médico sanitarista, escritor, ex-secretário da saúde de Fortaleza e um dos coordenadores do Movimento Médico pela Democracia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *