Home > Colunistas > Tasso Jereissati e o começo do fim do bloco PMDB-PSDB: Michel Temer, Geraldo Alckmim e João Dória

Tasso Jereissati e o começo do fim do bloco PMDB-PSDB: Michel Temer, Geraldo Alckmim e João Dória

O presidente nacional do PSDB, o senador Tasso Jereissati, já começa a colher o fruto da sua estratégia  para o fim da aliança de sua agremiação partidária, com o PMDB do presidente Michel Temer. Tasso Jereissati colocou o debate interno no ninho tucano, para fazer a tucanada temerista paulista sair na defesa da manutenção do partido, na base governista do Palácio do Alvorada.
O governador paulista, o médico Geraldo Alckmim (PSDB), e o prefeito paulistano, o empresário João Dória (PSDB), não compreenderam o movimento politico do senador Tasso Jereissati visando conseguir a transferência da impopularidade do ex-presidente Michel Temer aos seus ilustres aliados tucanos. Geraldo Alckmin começou a defender a saída da tucana da base aliada do Governo Federal. João Dória começa a fazer série de críticas negativas à área de articulação governista, no Congresso: Câmara e Senado.
As últimas pesquisas eleitorais ( Ibope, DataFolha e Paraná) já demonstraram que nos últimos quinze dias os presidenciáveis  tucanos caíram nas sondagens. O governador Geraldo Alckmim  (PSDB) caiu para o patamar eleitoral de 5% até 8% nas pesquisas estimuladas após o discurso de defesa da manutenção tucana na base aliada do presidente Michel Temer (PMDB). O prefeito João Dória não é mais o exemplo do novo político, como também parou de crescer nas enquetes dos institutos de pesquisas, com o índice variando de 9% até 12% nos cenários estimulados.
O senador Tasso Jereissati (PSDB) sabe do colapso da tucanada paulista tanto numa eleição indireta (2017) como na eleição direta (2018), para presidente da República. Tasso Jereissati pode ter conseguido outra vitória inesperada dentro do PSDB nacional, com a provável ida do governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Dória, para o Partido Socialista Brasileiro (PSB). Os tucanos paulistas precisam ir para nova agremiação partidária, pois a marca de governista fiel ao presidente Michel Temer (PMDB), não será apagada com a permanência no PSDB.
Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, sociólogo e consultor político
Fortaleza, 30 de Junho de 2017
Luiz Cláudio Ferreira Barbosa
Sociólogo, escritor, consultor e analista político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *