Home > Colunistas > Crítica: Em Ritmo de Fuga. Por Márcio Bastos

Crítica: Em Ritmo de Fuga. Por Márcio Bastos

QUE FILME! Não se engane pelo nome criminoso dado no Brasil. EM RITMO DE FUGA – que tem o nome original de BABY DRIVER – é uma agulhada de adrenalina que vai vidrar seus olhos na tela e congelar no seu rosto um sorrisão de felicidade durante toda a projeção.

Pra começar, o filme é dirigido pelo ótimo Edgar Wright, que fez SCOTT PILGRIM CONTRA O MUNDO. Em seu novo longa, ele mais uma vez deixa a ressonante assinatura, bebendo muito da cultura pop e transformando o que no papel parece uma história clássica igual a tantas outras em um passatempo alucinante e cheio de personalidade.

Baby (Ansel Egort), o protagonista, é um jovem com problemas auditivos que, por sua enorme habilidade ao volante, acaba envolvido com criminosos, sendo o piloto de fuga dos assaltos comandados pelo chefão Doc (Kevin Spacey). O detalhe é que sua deficiência faz com que tenha que ficar sempre escutando as músicas de sua coleção de iPod’s. Elas ajudam na sua concentração e, por tabela, ditam o ritmo de toda a trama.

Tudo se encaixa. Através de movimentos de câmera e cortes precisos, cada cena casa perfeitamente a música tocada com o que está acontecendo. Em outras palavras, PAPOCO de bala, ZUADA de máquinas de lavar e CANTADAS de pneu viram instrumentos musicais dentro de uma estrutura narrativa meticulosamente construída pra fazer você entrar em um verdadeiro estado de catarse. Não consigo me lembrar de nenhum outro filme onde som e narrativa tenham se entrelaçado desse jeito, causando um efeito tão divertido.

Sobre o elenco, vê só: além de Kevin Spacey (HOUSE OF CARDS), o filme traz Jamie Foxx (DJANGO LIVRE), Jon Hamm (MAD MEN), Jon Bernthal (DEMOLIDOR) e a talentosa e magnética Lily James (CINDERELA), que faz a garçonete Debora, por quem Baby se apaixona, estimulando ainda mais seu desejo de largar de uma vez por todas a vida de bandidagem.

Com críticas rasgadas ao redor do mundo, fica aí o BIZU. De forma alguma subestime esse pequeno espetáculo concebido pelo criativo Wright. Chegando ao cinema, ele estará timidamente esperando por você. E caso decida encarar essa mistura de filme de ação com musical moderno, ganhará uma experiência afinada prazerosamente pra deleite de olhos e ouvidos.

Márcio Bastos é crítico de filmes e séries do nosso portal de notícias.

Márcio Bastos
Redator publicitário, graduado em Letras e devorador de filmes e séries desde menino véi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *