Home > Colunistas > Régis Barros: Nazismo: de esquerda ou de direita?

Régis Barros: Nazismo: de esquerda ou de direita?

A nova discussão é essa destacada no título dessa reflexão. Os bobos ficam lutando para culpabilizar sua antípoda ideológica. Uma expressão ampla de pobreza humana e de carência de alteridade. Pouco me importa se o nazismo veio à esquerda ou à direita. O que importa mesmo é o conhecimento de que ele é perverso, cretino e mal. O que importa é que ele é violento, eugênico e cruel. O que importa mesmo é saber que ele extermina, humilha e mata. Isso transcende a essa discussão maniqueísta insana. Como nossa sociedade está doente e contaminada por esse maniqueísmo! A cegueira é tão antológica que nos desgastamos nesse caminho dicotomizado e nos esquecemos do mais importante: o nazismo e o fascismo são inadimissíveis. Ficamos ancorados nessa divisão tosca que acabamos por nos afastar do lógico e do correto, ou seja a luta coletiva contra quaisquer expressões e manifestações de apoio às ideias nazifascistas. Esse é o ponto. Os de direita e os de esquerda, ao invés de quererem provar a origem metafísica desse mal, deveriam, juntos, empunhar a mesma bandeira de combater essa ordem que se revela novamente. O que aconteceu recentemente nos EUA mostra que simpatizantes do nazifacismo existem em todos os cantos do mundo. Nós, esquerdistas e direitas, precisamos combater essas ideias. A bandeira de luta é única e, para mim, não tem cabimento essa nova onda de divisão na qual se tenta elencar um suposto culpado (direita ou esquerda).

Régis Eric Maia Barros é médico psiquiatra, mestre e doutor em saúde mental e membro do Movimento Médicos pela Democracia

Régis Eric Maia Barros
Médico psiquiatra, Mestre e doutor em saúde mental pela FMRP-USP e membro do Movimento Médicos pela Democracia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *