Home > Destaque > Campanha Doe de Coração começa a partir de setembro

Campanha Doe de Coração começa a partir de setembro

A Fundação Edson Queiroz vai apresentar, às 9 horas da próxima segunda-feira, no auditório da Biblioteca da Unifor, a campanha de divulgação do Movimento Doe de Coração 2017. A edição deste ano marca o aniversário de 15 anos dessa campanha, no momento em que o Ceará registra a menor taxa de recusa de famílias de possíveis doadores de órgãos, segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), recentemente divulgados: entre janeiro e junho de 2017, 49% das famílias de potenciais doadores aceitaram doar órgãos e tecidos. A campanha será veiculada a partir de 1º de setembro, informa a assessoria de imprensa da estratégia.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Henrique Javi, o movimento “Doe de Coração”, idealizado pelo chanceler Airton Queiroz, é um importante reforço à inciativa do Governo do Ceará de estimular a doação de órgãos no Estado. “Temos obtido bons resultados em número de doadores efetivos e consequentemente um aumento no número de transplantes realizados, elevando o nosso Estado a destaque nacional na doação de órgãos e tecidos para transplantes. Além disso, os Centros de Transplantes do Ceará, pela qualidade dos serviços prestados, tornaram-se referências para outros Estados das regiões Norte/Nordeste do Brasil”, destaca.

Transplantes

De 2003, quando o Movimento Doe de Coração foi criado, até agosto de 2017, já foram realizados 14.453 transplantes no Ceará. Nos oito primeiros meses de 2017, aconteceram 858 transplantes no estado, sendo 132 transplantes de rim, um de rim/pâncreas, 19 de coração, 125 de fígado, três de pulmão, 57 de medula óssea, 516 de córnea e um de esclera (camada branca que protege o globo ocular).

Entretanto, campanhas como a Doe de Coração se fazem necessárias para estimular cada vez mais a doação, principalmente para redução do índice de famílias de potenciais doadores que se recusam a doar órgãos e tecidos no Ceará. E assim, reduzir o número de pessoas que estão na fila por um transplante no Estado, que atualmente é de 775.

Fonte: Eliomar de Lima

pab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *