Home > Colunistas > Arruda Bastos: O Amor Do Eterno Namorado

Arruda Bastos: O Amor Do Eterno Namorado

Desde os primórdios da humanidade muito já se disse, escreveu e cantou em verso e prosa a respeito do Amor, comprovando que não existe uma definição única e que cada um tem uma forma peculiar de amar e expressar esse belo sentimento.

Tenho, nesse sentido, a minha própria definição e sentimento do que seja o amor: sentir saudade a menor distância, gemer sem sentir dor, palpitar sem esforço, sentir alegria imensa quando próximo, compartilhar alegrias e tristezas, sucessos e insucessos, é compreender e respeitar as individualidades. É sentir-se como parte de um todo, o côncavo e o convexo, é ser a alma gêmea.

No dia 12 de junho, dia dos namorados, comemoro, mais uma vez, em dose dupla, as datas mais importantes e inesquecíveis da minha vida. Agora já são quarenta e três anos de namoro e trinta e oito anos de casados com minha querida esposa e eterna namorada (Bodas de Carvalho). É muito amor, muito carinho, muita cumplicidade e comemoração que não acaba mais.

Nossa história de amor começou em uma bela manhã ensolarada de 1974, no Campus do Pici da Universidade Federal do Ceará (UFC), quando iniciávamos nossa formação universitária. Como por encanto de um conto de fadas, encontrei a garota que seria o grande amor da minha vida. Com seu corpo meigo e tão pequeno e jeitinho de gatinha manhosa, Marcilia logo me conquistou, foi amor à primeira vista.

Nosso amor logo cresceu, arrebatador como um vulcão, e descobri rapidamente que ela era a pessoa certa para mim. Antes eu não sonhava e passei a sonhar acordado, desejava ficar sempre junto, casar, ter filhos, constituir uma família e formar o nosso ninho aconchegante de amor.

Nunca, jamais, em hipótese alguma, deixarei de te amar, porque afinal, ninguém vive sem oxigênio! Isso mesmo, você é meu oxigênio. Eu preciso de você para viver, eu preciso do seu amor, do seu carinho, dos seus beijos, dos seus abraços, das suas mãos entrelaçadas nas minhas.

Escrevo essas mal traçadas linhas, meu amor, para dizer que te amo e que agradeço a Deus todos os dias a graça de ter lhe encontrado naquela manhã, e de, cinco anos depois, na noite dos namorados de 1979, com as bênçãos de Deus, ter confirmado diante do altar esse nosso amor. Agradeço a Deus pelos frutos dessa união, nossos quatro filhos, os dois netos, os genros e a nora.

O sol e a lua que testemunharam essas datas inesquecíveis são os mesmos e as fontes inesgotáveis que aquecem, renovam e iluminam nosso amor até hoje. Rogo a Deus que nos conceda uma vida longa e que conserve o nosso amor por toda nossa existência. Grande beijo!!

*Arruda Bastos é médico, professor universitário, membro da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores e um homem apaixonado pela sua esposa e família.

Arruda Bastos
Médico, professor universitário dos cursos de Medicina e Enfermagem, especialista em Gestão em Saúde e Saúde Pública, escritor, radialista, ex-Secretário da Saúde do Estado do Ceará e coordenador do Movimento Médicos pela Democracia.
http://www.portalarrudabastos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *