Home > Blog > Seu amor me pegou. Por Arruda Bastos

Seu amor me pegou. Por Arruda Bastos

Chegou, para minha alegria e de milhões de casais apaixonados, mais um dia dos namorados e, como meus leitores assíduos já sabem, no meu caso, a data se reveste ainda de mais emoção, pois comemoro também mais um ano de casado com minha amada e eterna namorada, Marcilia. Bodas de mármore.

Na véspera deste tão aguardado dia, a noitinha,como já tornei uma tradição, passei a escrever nova crônica em homenagem a minha amada e a todos os enamorados pelo seu dia. Fiquei então, como de praxe, a aguardar aquela inspiração, pois, nos dias bicudos de hoje de tamanha conturbação política e desalento, não é fácil encontrar um mote para impulsionar nossos pensamentos.

Em anos anteriores, escrevi O amor do eterno namorado, recordando com emoção o histórico do nosso grande amor. Depois, em mal traçadas linhas e inspirado na letra de uma página popular, falei que É o amor que mantém os relacionamentos duradouros, como o nosso de 39 anos de casadosque comemoramos neste dia 12 de junho. No ano passado, com o título da música preferida da minha amada Marcilia, escrevi Minha Gatinha Manhosa”.

Digo que a noite foi longa tentando alinhar as ideias e a inspiração para colocar mais uma vez no papel o nosso imenso amor, sua importância e todo meusentimento. A televisão não ajudava, pois transmitia desgraças, violência de toda ordem e atitudes de políticos golpistas, agora desmascarados pelas pesquisas eleitorais e de aprovação do governo. Outro destaque era a cobertura do histórico encontro do presidente americano Trump e o líder da Coreia do Norte Kim Jong-un em Singapura.

Estava mesmo difícil falar para minha amada Marcilia e para todos os namorados no seu dia até que, de repente, no meu radinho, escutei uma música que dizia “Seu amor me pegou / ‘Cê bateu tão forte com o teu amor / Nocauteou, me tonteou / Veio à tona, fui à lona”. Era o lampejo que estava faltando e, mais uma vez por meio da melodia,encontrei a inspiração que estava a me faltar. Decidi então utilizar a música “K.O” e batizar minha crônica de “Seu amor me pegou”, início da letra de grande sucesso do cantor, compositor e drag queen brasileiro, Pablo Vitar.

Marcilia, com seu amor, realmente me pegou e olha que isso já faz tempo e esse sentimento só aumenta entre nós. Sem dúvida, repito que Cê bateu tão forte com o teu amor / que me nocauteou, me tonteou. Como diz esse trecho da música,realmente meu coração continua a bater tão forte embalado no nosso amor como nos primeiros dias que a conheci nos bancos da Universidade Federal do Ceará, nos idos de 1974. O seu amor me pegou.

Sei que alguns podem até achar que escolhi a musica e o cantor errado, pois ainda existe dentro de segmentos conservadores da nossa sociedade muito preconceito contra quem tem preferências e estilos de vida diferentes do que é considerado tradicional. Para esses, eu digo que o que vale nessa vida é ser feliz. As discriminações de raça, sexo, religião e outras não devem existir e com essa minha crônica quero deixar claro que o importante é o amor, pois como o próprio Papa comentou recentemente ‘Deus te fez assim e te ama’.

Mas voltando àsica que me inspirou, e para concluir, pois já é tarde e minha amada Marcilia dorme sozinha enquanto escrevo, vou rapidamente transcrever mais um trecho da letra da música, que diz “Estar contigo na minha cama juntos coladim’ / Me beija a noite inteira”, “Vou te dar canseira / Quero do inicio até o fim” e “vou te falar, fui à lona com o seu amor. Te amo, o seu amor me pegou!

Arruda Bastos é médico, professor universitário, membro da Sociedade Brasileira de médicos Escritores, radialista, ex-secretário da Saúde do Ceará e um apaixonado pela sua eterna namorada Marcilia.

Vídeo da música: https://www.youtube.com/watch?v=3L5D8by1AtI

Letra da música: K.O.

Seu amor, me pegou
‘Cê bateu tão forte com o teu amor
Nocauteou, me tonteou
Veio à tona, fui à lona, foi K.O.

Sempre fui guerreira, mas foi de primeira
Me vi indefesa, coração perdeu a luta, sim
Adeus bebedeira, vida de solteira
Quero sexta-feira
Estar contigo na minha cama juntos coladim’
Me beija a noite inteira
Sexo na banheira
Vou te dar canseira
Quero do inicio até o fim
E fixa o olhar, fico a te olhar
Vou te falar, fui à lona com o seu

Seu amor, me pegou
‘Cê bateu tão forte com o teu amor
Nocauteou, me tonteou
Veio à tona, fui à lona, foi K.O.

Seu amor, me pegou
‘Cê bateu tão forte com o teu amor
Nocauteou, me tonteou
Veio à tona, fui à lona, foi K.O.

Sempre fui guerreira, mas foi de primeira
Me vi indefesa, coração perdeu a luta, sim
Adeus bebedeira, vida de solteira
Quero sexta-feira
Estar contigo na minha cama juntos coladim’
Me beija a noite inteira
Sexo na banheira
Vou te dar canseira
Quero do inicio até o fim
E fixa o olhar, fico a te olhar
Vou te falar, fui à lona com o seu

Seu amor, me pegou
‘Cê bateu tão forte com o teu amor
Nocauteou, me tonteou
Veio à tona, fui à lona, foi K.O.

Seu amor, me pegou
‘Cê bateu tão forte com o teu amor
Nocauteou, me tonteou
Veio à tona, fui à lona, foi K.O.

Eu me entreguei e decretei K.O.
Eu me entreguei e decretei K.O.

Compositores: Arthur Pampolin Gomes / Pablo Luiz Bispo / Rodrigo Pereira Vilela Antunes 

Letra de K.O. © Warner/Chappell Music, Inc

Arruda Bastos
Médico, professor universitário dos cursos de Medicina e Enfermagem, especialista em Gestão em Saúde e Saúde Pública, escritor, radialista, ex-Secretário da Saúde do Estado do Ceará e coordenador do Movimento Médicos pela Democracia.
http://www.portalarrudabastos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *