Home > Colunistas > Régis Barros: O choro do Léo

Régis Barros: O choro do Léo

Quando a Bélgica fez o segundo gol, eu percebi que as lágrimas começaram a saltar dos olhos do meu Leozinho. Ele estava muito empolgado com a copa. Essa foi a primeira que o motivou, pois, aos sete anos, ele já torcia e vibrava. Sabia o nome de todos os jogadores e já estava com o álbum da copa preenchido. Seu choro demonstrava um misto de decepção, frustração e consciência de que a jornada de virada seria difícil. Na sua inocência, ele percebeu que o time da Bélgica não tinha nada de bobo. Eis que eu o abracei forte e acolhi sua angústia refletindo com ele sobre a vida, que também não deixa de ser uma competição diária. Expliquei que perdemos e ganhamos. Que isso faz parte e, por vezes, até perdemos quando merecíamos ganhar. De forma lúdica, expliquei ainda que a derrota é relativa. Na verdade, quando nos dedicamos e lutamos pelo que queremos, nunca perdemos mesmo que não saiamos vitoriosos. É isso mesmo! Dá o seu melhor e lutar com garra, vontade, desejo, coração e amor já nos tornará vitoriosos. Vitórias e derrotas acontecerão na nossa vida. O que precisamos ter guardado dentro de nós é que nunca desistiremos e que, até o fim, buscaremos vencer. Caso aconteça a derrota, seguiremos firmes, fortes e cientes de que não pararemos nunca de tentar. A vitória há de chegar. Mais cedo ou mais tarde, ela nos presenteará. Depois de abraçá-lo e conter seu choro, eis que o Brasil lutou. Fez um gol. Quase empatou se não fosse o erro final das finalizações. A meu ver até merecia o empate. O Brasil buscou bravamente o resultado e não desistiu. Por detalhes, acabou perdendo. É isso. Esporte e a vida são assim mesmo. Seguir em frente sem medo ou vergonha. O Leozinho compreendeu isso. Ele percebeu a luta da seleção e a entrega dos jogadores. Ao final do jogo, já sem chorar, ele me chamou para jogar futebol no quintal. Fomos juntos como jogadores do Brasil. Enfim, a bola precisa continuar a rolar e o jogo da vida nunca poderá parar.

Régis Eric Maia Barros é médico psiquiatra e mestre e doutor em saúde mental

Régis Eric Maia Barros
Médico psiquiatra, Mestre e doutor em saúde mental pela FMRP-USP e membro do Movimento Médicos pela Democracia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *