Home > Colunistas > Luiz Cláudio: O novo Itamar Franco – Ciro Gomes e a nova cruzada constitucional

Luiz Cláudio: O novo Itamar Franco – Ciro Gomes e a nova cruzada constitucional

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) deverá fazer a sua campanha eleitoral baseada no discurso da necessidade das reformas estruturais: trabalhista, tributária e política. Ciro precisa ser o principal crítico do presidencialismo coalizão e do neofisiologismo da aliança política-eleitoral do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) e do presidente Michel Temer (MDB). A classe média brasileira necessita de uma candidatura presidencial que represente a responsabilidade fiscal e a responsabilidade administrativa, tudo isso numa linguagem bastante técnica.

O núcleo da campanha do presidenciável do PDT precisa ressuscitar o período no qual Ciro foi ministro da Fazenda, isso ocorreu em 1994, na época da estabilização do Plano Real. O ex-presidente Itamar Franco foi o grande responsável pelo equilíbrio fiscal e o equilíbrio financeiro da economia brasileira, na véspera da entrada do segundo milênio. Ciro Gomes tem tudo para relembrar esse período importante do qual foi o grande fiador da área econômica, com busca ser visto como o novo guardião da estabilidade democrática nos próximos anos.

A tendência do Partido Democrático Trabalhista é a de, talvez, não fazer nenhuma aliança no campo do centro-esquerda lulista: PSB e o PCdoB. Ciro poderia abrir a mesa de negociação com os presidenciais de centro no campo político brasileiro: Marina Silva (REDE) e Álvaro Dias (Podemos). O pedetista deveria direcionar as suas energias para a construção da primeira coligação partidária brasileira anti-lulista e anti-tucano. Marina e Álvaro Dias não teriam nenhum problema de conversar com Ciro Gomes, nos próximos dias, lógico que isso terá que ser antes do dia 5 de agosto.

O ex-governador Leonel Brizola quase foi ao segundo turno na eleição presidencial de 1989. Brizola reconheceu após a vitória do candidato direitista (Fernando Collor), que o seu erro estratégico foi não ter feito o diálogo de aliança eleitoral com Mário Covas, do PSDB. O próprio tucano também reconheceria depois o mesmo erro estratégico na sucessão presidencial de 1989. Ciro Gomes tem poucos dias para construir uma nova frente partidária, para impor uma derrota aos políticos fisiológicos brasileiros.

Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, sociólogo e consultor político

Luiz Cláudio Ferreira Barbosa
Sociólogo, escritor, consultor e analista político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *