Home > Blog > Arruda Bastos: Os médicos de 1979 continuam os mesmos, mas os seus cabelos…

Arruda Bastos: Os médicos de 1979 continuam os mesmos, mas os seus cabelos…

Nessa semana, como já se tornou tradição, a minha querida turma de Medicina da UFC de 1979, que homenageia Oswaldo Cruz, reuniu-se mais uma vez para agradecer o dom da vida e para comemorar mais um ano de camaradagem e amizade. Agora já são 39 anos de formados e 45 anos de profícua amizade.

A festa, como sempre, foi emocionante, com os encontros e reencontros de colegas tão especiais, alguns que até não víamos há dezenas de anos. O retorno das lembranças de um passado um pouco distante foi imediato, haja vista que tais memórias não se apagaram jamais dos nossos corações.

Cada um dos colegas tem sua trajetória de vida, com alegrias, tristezas, realizações e frustrações. O importante mesmo é que estamos nesse nosso mundo de meu Deus enfrentando os desafios do dia a dia e as dificuldades da nossa estrada, com a fé inabalável de que no final tudo vai dar certo.

Para os da nossa geração, recordo de um famoso comercial da década de 70 do shampoo Colorama da Bozano que dizia: “A minha voz continua a mesma, mas os meus cabelos…”. No caso do nosso encontro, a voz foi fator fundamental para identificarmos no fundo da memória os colegas, pois os cabelos, definitivamente, não mais.

Minhas colegas, esposas e companheiras, como sempre, foram destaque e, sem citar nomes para não causar soberba, até mesmo porque sei que quando lerem essa minha crônica todas vão se identificar de imediato, encontramos inúmeras que mais pareciam suas filhas ou que tinham retornado ao tempo dos bancos da nossa gloriosa UFC, quais as suas jovialidades.

Os marmanjos, apesar de alguns ainda ostentarem seus cabelos, agora cor de neve, ou até mesmo nenhum ou pouco cabelo, como eu, continuam com o mesmo espírito jovial dos anos de faculdade. E, tirando alguns abdomens um pouco avantajados, como no dito comercial de shampoo, no mínimo a voz continua a mesma.

Um colega do tempo de Cearense e que é meu amigo há uns trezentos anos sugeriu que no próximo ano sejam confeccionados crachás, pois mesmo a voz continuando a mesma, a turma parece que saiu do filme “O Curioso Caso de Benjamin Button”, com Brad Pitt e Cate Blanchett, dirigido por David Fincher, que conta a história de um homem que nasce com mais de 80 anos e rejuvenesce com o tempo. A nossa turma está ficando assim e a identificação cada vez mais difícil.

Outro colega comentou que não estamos ficando velhos; nós já estamos, e citou uma assertiva do nosso querido professor João Evangelista que, no alto dos seus 83 anos, conversando com um outro professor da mesma geração, retrucou quando este falou que estava ficando velho, dizendo que já está e que a memória não é a mesma.

Como habitual para os que ficaram até o final da festa, as músicas de Roberto Carlos novamente se tornaram destaques na voz do nosso agregador mor Paulo Quixadá. Aqui recordamos os anos de ouro do Rei com as músicas que fizeram parte da nossa vida: Eu Quero Apenas, de 74; Além do Horizonte, de 75; Ilegal, Imoral ou Engorda, de 76; Amigo, de 77; Café da Manhã, de 78; Na paz do seu Sorriso, de 79; e muitas outras.

Para aqueles que por motivo superior não puderam comparecer à confraternização, vai aqui nossa palavra de fé, carinho, amizade e nossas orações, na certeza de que no próximo ano, com a graça de Deus, durante as comemorações dos quarenta anos de formados, estaremos juntos novamente lépidos e fagueiros.

Para concluir, e inspirado no Rei, afirmo que encontramos em uma estrofe da música “Amigo” de Roberto Carlos o sentimento que mais encarna a união da nossa turma de 1979: “Às vezes em certos momentos difíceis da vida / Em que precisamos de alguém pra ajudar na saída / A sua palavra de força, de fé e de carinho / Me dá a certeza de que eu nunca estive sozinho”.

A turma de 1979 de Medicina da UFC nunca deixará um seu colega sozinho.
Que Deus abençoe a todos!

Arruda Bastos é médico, professor universitário, membro da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores.

Arruda Bastos
Médico, professor universitário dos cursos de Medicina e Enfermagem, especialista em Gestão em Saúde e Saúde Pública, escritor, radialista, ex-Secretário da Saúde do Estado do Ceará e coordenador do Movimento Médicos pela Democracia.
http://www.portalarrudabastos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *